Não consegue visualizar Clique Aqui
topo
Biapó discute parceria com o Museu de Ciências da Terra N

o dia 28 de agosto, uma equipe do Museu de Ciências da Terra (MCTer) do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), formada pela gestora Natália Winkelmann Roitberg, pela arquiteta Laura Rigone e mais oito funcionários, visitou a Construtora Biapó, no Rio de Janeiro, para discutir uma parceria que tem como objetivo principal a realização conjunta de programas de Educação Patrimonial.

Eles foram recebidos pelo museólogo Sérgio Costa, que apresentou o Programa de Educação Patrimonial da Biapó e sua interface com os valores da empresa, pautados no tripé da valorização do homem, da história e do trabalho em grupo. Em seguida, a equipe do museu realizou uma visita guiada para conhecer as intervenções da restauração arquitetônica em curso e obter noções acerca do restauro, das prospecções para a investigação de cores e texturas das paredes e das técnicas construtivas antigas como a taipa.

Características da parceria

Entre as atividades do Programa de Educação Patrimonial da parceria, que está sendo discutida, será realizada, no MCTer, a exposição Canteiros, com o objetivo de apresentar as atividades patrimoniais e culturais desenvolvidas pela Biapó durante os processos de restauração de diversos prédios históricos do Rio de Janeiro, de Goiás e Minas Gerais. Como contrapartida ao uso do espaço do MCTer para realização dessa exposição, técnicos da construtora farão a higienização de uma tela do pintor Antônio Parreiras.

Também serão realizados testes de manutenção no edifício histórico do CPRM, limpeza de partes do piso, prospecção de peças históricas, incluindo o Leão e a Águia, localizados em frente ao prédio, e de outros pontos de interesse comum.

Serão ministradas aulas integradas no próprio MCTer e nos canteiros de obra da Biapó para as turmas do Curso de Educação Patrimonial da Biapó e do CPRM.

Workshop NPPG da UFRJ tem participação da Construtora Biapó
A

Construtora Biapó participou do workshop "Perspectivas e Oportunidades na Construção Civil", realizado no período de 14 a 18 de agosto, no Rio de Janeiro, e organizado pelo Núcleo de Pesquisas em Planejamento e Gestão (NPPG) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com apoio da Semana de Engenharia Civil.

No evento, foram discutidos procedimentos atuais e futuros para elencar possíveis caminhos para o reaquecimento da engenharia no país. Para tanto, o evento contou com a participação de palestrantes renomados, com o objetivo de compartilhar ações e promover as boas práticas aplicadas no contexto da crise, a fim de elucidar meios para mitigação de seus efeitos na construção civil. Os temas abordados foram: Ênfases da Engenharia Civil na UFRJ; Autovistoria Predial e Legislação; Reabilitação Urbana e Patologias Construtivas; Canteiros Sustentáveis em Obras de Engenharia e Competições Relacionadas à Engenharia Civil.

O engenheiro Jorge Campana representou a Biapó em uma mesa-redonda sobre Reabilitação urbana e patologias construtivas, abordando o tema da “Certificação de procedimentos em intervenções de restauração em edifícios históricos”, no dia 16 de agosto.

"Ressaltei nossas preocupações com a certificação de procedimentos, visando à redução de retrabalho e ao aumento da qualidade de nossos serviços", disse Campana, que apresentou os exemplos da cúpula da Capela de São Pedro de Alcântara, cuja estrutura foi montada no canteiro de obras, e todos os itens construtivos

– revestimento em madeira, impermeabilização e revestimento final em cobre –, antes de montar a estrutura no topo do edifício.

Outro exemplo apresentado foi o modelo em escala 1:1 da platibanda dos edifícios que compõem o Fórum de Ciências da UFRJ. Além disso, foram resolvidas questões sobre revestimento, cores, calhas, rufos, pingadeiras, arremate do telhado e impermeabilização no próprio canteiro. Tudo foi testado e aprovado pela fiscalização e, posteriormente, aplicado no prédio.

O engenheiro da Biapó também destacou a adesão da construtora aos processos de inserção de pessoas com deficiências em seu quadro de funcionários. "Essas ações de inclusão social já ocorrem há dez anos, com oportunidades de trabalho aos portadores de deficiências visuais, auditivas e, agora, de distúrbios psiquiátricos. Nesse processo, contamos com parcerias fundamentais como o Instituto Benjamim Constant (IBC), o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES) e a UFRJ, de forma a facilitar e, principalmente, validar essas ações", contou Jorge Campana.

O coordenador do Núcleo de Pesquisas em Planejamento e Gestão (NPPG) da UFRJ, professor Eduardo Qualharini, considera a parceria com a Biapó importante e manifestou o desejo de continuidade. "Espero que possamos continuar juntos em parcerias futuras. Somos parceiros naturais e seria muito bom dar mais impulso a isso", disse.

Projeto de Inclusão Social e Programa de Bônus são inscritos no Prêmio de Responsabilidade Social do CBIC
A

Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), por meio do Fórum de Ação Social e Cidadania (FASC) e do Serviço Social da Indústria (SESI), estão promovendo o Prêmio CBIC de Responsabilidade Social 2017, nas categorias de Direitos Humanos, Práticas Trabalhistas, Meio Ambiente, Práticas Leais de Operação, Questões Relativas a Consumidores e Desenvolvimento e Envolvimento Comunitário.

A Construtora Biapó inscreveu dois de seus projetos de responsabilidade social: o Programa de Inserção de Usuários de Saúde Mental pelo trabalho na obra de restauração do Palácio Universitário, na categoria Direitos Humanos, e o Programa de Bônus e Resultados, que distribui parte dos lucros da empresa aos seus colaboradores, na categoria Práticas Trabalhistas.

A proposta do prêmio é fortalecer e estimular o desenvolvimento de projetos de responsabilidade social nos segmentos da indústria da construção e do mercado imobiliário, criando um mecanismo de reconhecimento dos esforços conjuntos do setor na busca de uma sociedade com melhor qualidade de vida e igualdade de oportunidades.

Projeto Feito com as Mãos ficou conhecido pelo Brasil

Maria Leite e Simon Paolo Vicente: os dois ajudam a restaurar o imóvel e falam do prazer de voltar ao mercado de trabalho - Fernando Lemos / Agência O Globo

O

Programa de Inclusão Social da Construtora Biapó virou notícia nacional, e o impacto da contratação de quatro colaboradores com distúrbios psiquiátricos foi mostrado pelo jornal O Globo, na matéria "Pacientes psiquiátricos são contratados para reforma do Palácio Universitário da UFRJ", publicada no dia 20 de agosto.

Saiba mais

Os quatro — duas mulheres e dois homens — trabalham nos serviços de pintura, lavagem de telhas, decapagem de gradil e recuperação da cantaria (pedras usadas no revestimento) e aprendem o ofício de restauração de patrimônio histórico.

A reportagem apurou que "um dos orgulhos do quarteto foi a restauração do lago da Escola de Comunicação da UFRJ, devolvido à comunidade acadêmica após um delicado trabalho de reconstrução".

Além de contar como a oportunidade teve impacto positivo na autonomia e sobrevivência de cada um, os colaboradores também falaram sobre o preconceito, que representa uma barreira à sua independência e felicidade.

Colaboradores do Programa de Inclusão Social, o museólogo Sérgio Costa e a psicóloga Sandra Quinan

Detalhes da fachada do Palácio da UFRJ