Não consegue visualizar?
Ver no navegador
TOPO BIAPO
Exposição Canteiro Aberto da Fazenda Santa Eufrásia recebe visitantes junto a uma programação cultural diversificada
Imagens de arquivo da Exposição Canteiro Aberto na Fazenda Santa Eufrásia
A Construtora Biapó abriu as portas do canteiro de obras da Fazenda Santa Eufrásia para visitação pública e gratuita. Construída em 1830, a propriedade é uma das fazendas históricas do século XIX de Vassouras (RJ), sendo a única entre as residências particulares tombada pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O conjunto arquitetônico e paisagístico da fazenda, composto por casa-sede, cavalariça, armazém, ponte e açude, passa por um processo de restauração e outras obras civis, seguindo procedimentos construtivos tradicionais de arquitetura em terra crua, como o uso de tijolos de adobe, e técnicas da região de estuque e pau a pique.

Francisco José Rosado da Silva, o Chicão, tornou-se um especialista adobeiro após fazer um treinamento no Iphan e repassou os conhecimentos adquiridos para a equipe que atualmente trabalha no restauro da obra em Vassouras. As memórias de sua infância, vivida em uma casa de adobe, provocaram nele uma curiosidade motivadora. “Quis aprender como se faz e estou me dedicando a estudar cada vez mais sobre isso. Descobri que a técnica existe desde 500 anos antes de Cristo”, conta o mestre adobeiro, responsável por demonstrar aos visitantes do Canteiro Aberto como se produz os tijolos de adobe. “As pessoas ficam impressionadas e surpresas porque o modo de fabricação é totalmente natural, cimento zero. É um trabalho pesado. Antes da secagem, um tijolo chega a pesar 40 quilos”, explica Chicão.

A inauguração da exposição Canteiro Aberto da Fazenda Santa Eufrásia aconteceu no dia 21 de julho, com apresentação do grupo da Associação Afro - Jongo Caxambu Renascer e visitas guiadas durante a tarde.

Para Claudia Lucia Rodrigues, liderança do grupo que desenvolve diversas atividades em escolas e pontos de culturas, entre outros espaços da região, o convite recebido para participar do evento foi bem significativo e importante, uma vez que o Jongo Caxambu Renascer é um movimento de afirmação de identidade cultural.

Uma das visitantes, Sonia Mattos, fundadora do Instituto Preservale que atua no Vale do Café, considerou a experiência enriquecedora, tanto para a população como para públicos mais especializados, como arquitetos e profissionais ligados à preservação do patrimônio. “Gostei muito da sequência das demonstrações de produção de adobe e telhas. Os instrutores são muito qualificados”, disse, elogiando também a iniciativa de inclusão da apresentação cultural de jongo. Segundo a visitante, foi “uma maneira bacana de trazer o patrimônio imaterial para dentro do espaço do canteiro”. Ela ainda mencionou a exposição de esculturas em madeira de Sandro Cunha, desejando que seu trabalho artístico possa ser mais divulgado no país, pois seu talento merece ser valorizado.

O economista Sergio Pantoja contou ter ficado curioso com a evolução da obra e demonstrou interesse em visitá-la em outras ocasiões, já que costuma ir em Vassouras com certa regularidade. “Gostei muito. A equipe é muito bem treinada e informada para receber os visitantes. Achei as demonstrações das técnicas de restauro muito interessantes. Também visitei o site da Biapó para conhecer mais o trabalho desenvolvido”, disse ele, que mora próximo à outra obra de restauração da Biapó no Rio de Janeiro, a do Templo da Humanidade. “Posso ver que o trabalho da empresa é de muita qualidade, bem cuidadoso”, acrescentou.

As visitas guiadas ainda continuam nos dias 20 de outubro, 10 de novembro e 8 de dezembro, exceto em caso de chuva. O evento tem o apoio do Iphan, da NTS e CEP28. A Fazenda Santa Eufrásia está localizada na Rodovia RJ 127, km 42, Vassouras – Mendes, entrada da Toca dos Leões. Os contatos podem ser feitos pelo e-mail eventos. biapo@gmail.com.
Exemplares dos materiais de construção da época que compõem a exposição da Fazenda Santa Eufrásia
Apresentações culturais de Folias de Reis e do Grupo Jongo Caxambu Renascer
Exposição de esculturas em madeira de Sandro Cunha estende o prazo das visitas guiadas
Com apoio do Ministério da Cultura, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, a Construtora Biapó promoveu a exposição de esculturas em madeira do artista Sandro Cunha, que teve abertura oficial no dia 20 de julho, na Sala de Arte Sacra da Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, na cidade de Vassouras.

Inicialmente prevista para ser encerrada no dia 8 de agosto, a mostra foi estendida até o dia 17 do mesmo mês por causa dos inúmeros pedidos de agendamento de professores e instituições educacionais públicas e privadas para as visitas guiadas.

O monitor Rogério Sento Sé Chaves, museólogo, explica que a exposição de Sandro Cunha revela as ligações entre suas esculturas e as obras de restauro nas quais ele trabalhou ao longo de 20 anos na Biapó. “No início de sua carreira na empresa, ele trabalhava na carpintaria e observava as idas e vindas de uma carroça com um burrinho. Daí a inspiração para fazer a peça com este tema. Apesar de ser evangélico, teve muito contato com santos católicos nas obras onde trabalhou e foi inspirado por eles. A Casa da Moeda ficava na rua da Igreja de São Jorge, e o segurança da obra era devoto dele. A Capela da UFRJ pegou fogo e só ficou o Cristo na parede, a cruz também pegou fogo. Isso chamou muito a atenção de Sandro. Ele usa o cedro, um tipo de madeira que sobra muito nas obras. A exposição vai contando a trajetória a partir desses fatos e acaba narrando também a história da Biapó”, explica Rogério Chaves.
Visita guiada na exposição de Sandro Cunha
Sucesso de crítica e de público, a exposição recebeu cerca de 1.300 visitantes. Participaram cerca de 320 educandos das escolas Pequeno Príncipe, Índio Amigo, Santos Anjos, CETIC - Peter Pan, Thiago Costa, Raul Fernandes. As seis instituições de Ensino Fundamental e Médio (com estudantes de 6 a 17 anos) tiveram oportunidade de conferir as esculturas de Sandro Cunha, atividade cultural que serviu de complementação para formação dos alunos.

Segundo Adriana Cavalcante, coordenadora da Escola Índio Amigo, os 38 estudantes, na faixa etária de 6 a 8 anos, que visitaram a exposição ficaram encantados com as obras e foram muito bem recebidos pelos arte-educadores. “Nossa escola busca proporcionar às crianças o contato com a arte e a filosofia com o objetivo de abrir seus horizontes para enxergar o mundo de diferentes maneiras”, disse a coordenadora, que também demonstrou o interesse em visitar a exposição Canteiro Aberto da Fazenda Santa Eufrásia.

Padre José Antônio, da Paróquia Nossa Senhora da Conceição e Vigário Geral da Diocese de Valença, destacou que o sucesso da exposição surpreendeu a todos. “Pra nós, foi uma alegria. Todos se surpreenderam com o grande número de visitantes. Foi uma excelente oportunidade para toda a comunidade e os turistas que vieram participar do festival. Eles conheceram as obras do artista Sandro Cunha e também parte do acervo mantido pelo nosso Centro de Memória de Cultura Religiosa. Muito positivo”, afirmou.
Obra do Forte Nossa Senhora dos Remédios tem ampla programação cultural
Além das atividades de restauro do Forte Nossa Senhora dos Remédios, em Fernando de Noronha, a Construtora Biapó segue com uma ampla programação cultural e educativa para comunidade, turistas e seus próprios colaboradores.

A iniciativa tem como objetivo envolver os moradores nos trabalhos de recuperação do patrimônio histórico de sua cidade, por meio da realização de eventos culturais como shows de música, exibição de filmes, oficinas e apresentações teatrais que estimulam o convívio comunitário, a participação de escolas e o trabalho educacional centrado nas questões patrimoniais e culturais.

O Festival Música no Forte já apresentou cinco shows desde o mês de maio – Duo de violino e violão com Alessandro Borgomanero e Eduardo Meirinhos (em duas ocasiões); Camerata Acadêmica Escola Técnica de Artes (UFAL – Maceió/AL); Quinteto Pernambucano de Cordas; e Paraíba Jazz.
Música no Forte apresenta Paraíba Jazz
A programação segue até dezembro
Confira os próximos shows:
15/09 Grupo de Violoncelos Presgrave Ensemble - Fabio Presgrave (direção e violoncelo) - música erudita e popular para um grupo de violoncelos, de Bach a Villa-Lobos.

20/10 Metais do Cerrado - Quinteto de Metais de Goiás (trompetes, trompa, trombone e tuba) do erudito ao popular.

17/11 “Isaac Violin Live” - Willian Isaac violino elétrico - pop music e rock.

08/12 Júlio Lemos “O Violão Popular Brasileiro” - samba, chorinho, bossa nova, tango.

Já o projeto Cinema no Forte teve a exibição de três filmes “Lisbela e o Prisioneiro”, “O Auto da Compadecida”, ambos dirigidos por Guel Arraes, e “Fábio Fabuloso”, de Pedro Cezar, Ricardo Bocão e Antônio Ricardo.
Exibição de filmes do Cinema no Forte
Programação cultural do Forte
Durante as obras no Forte Nossa Senhora dos Remédios, a Biapó também tem promovido programas em prol da qualidade de vida e da qualificação profissional nos canteiros de obras.
Professores ministram aula de Ginástica Laboral para os colaboradores da Biapó
Voltadas para o desenvolvimento humano e social de seus colaboradores, as ações propostas compreendem aulas de Ginástica Laboral com exercícios de alongamento, ministradas por Layane Marques e Phillipe Bruno Bezerra, para evitar acidentes de trabalho e dores causadas por movimentos repetitivos; aulas de Educação Patrimonial e Cidadania (EPC), ministradas pelas professoras Grazielle Rodrigues (historiadora) e Vanessa Araújo (gestora do Memorial Noronhense). As atividades fazem parte de um projeto permanente da Biapó centrado no patrimônio cultural como fonte de conhecimento e enriquecimento individual e coletivo, valorizam a experiência e o contato direto com as manifestações da cultura, em todos os seus múltiplos aspectos, sentidos e significados.

Os colaboradores também participaram do mutirão de limpeza na Vila dos Remédios, visitaram a Companhia Elétrica de Pernambuco (Celpe), para saber como a energia elétrica é gerada na ilha, e o Projeto Tamar para conhecer as práticas de preservação das espécies de tartaruga marinha.
Colaboradores participam do mutirão de limpeza da Vila dos Remédios
Armazém Macedo é restaurado no âmbito do PAC Cidades Históricas Paraná
As obras de restauro do Armazém Macedo foram iniciadas no mês de julho, quando foi instalado o canteiro de obras. Dentre os processos realizados estão limpeza geral das edificações e das ruínas, remoção de vegetação e elementos espúrios, prospecções arquitetônicas, revisão e estudo dos projetos de estabilização da ruína e execução das novas fundações.

Os restauros das ruínas do armazém e dos barracões anexos são as primeiras edificações contempladas pelo PAC Cidades Históricas da cidade de Antonina, no Paraná.
Vista geral da edificação
Ruínas do Armazém Macedo onde será construído o Centro Cultural e Gastronômico de Antonina
Os edifícios restaurados abrigarão um Centro Cultural e Gastronômico, com espaço para exposições, auditório e biblioteca, além de atividades comerciais com lojas, cafeteria e espaços abertos de convivência com decks e um trapiche destinados à contemplação da baía e do centro histórico da cidade de Antonina.

Segundo o memorial descritivo, as intervenções propostas para o antigo Armazém Macedo visam à preservação de seu caráter de ruína. Também serão realizadas a consolidação, a estabilização e a proteção das fundações, das paredes remanescentes e dos arcos de alvenaria que originalmente apoiavam o piso interno. Já o projeto de restauro dos barracões anexos foi apresentado no memorial com maior liberdade propositiva, tendo como premissa a recomposição da volumetria – cobertura e fachadas – e a reestruturação total do seu interior.

Durante os serviços iniciais de limpeza da vegetação e prospecções arquitetônicas na edificação, foi possível identificar os vestígios de elementos arquitetônicos até então desconhecidos, como fundações e um trecho de pavimento de pedra, conhecido como pé-de-moleque.

O centro histórico de Antonina, localizado no litoral do Paraná, entre a Serra do Mar e a Baía de Paranaguá, foi tombado pelo Iphan, em 2012, por seus valores históricos e paisagísticos. Na área protegida, está incluso um raro exemplar da arquitetura industrial do início do século XX, conhecido como Complexo Matarazzo (Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo – IRFM), que representa a fase áurea da industrialização e da atividade portuária no estado.

A área tombada é constituída por edifícios com características do período colonial brasileiro, com traços ecléticos e de art déco, calçamento de pedras e ruínas que enriquecem o patrimônio. O centro histórico materializa os processos de ocupação territorial nessa região, particularmente no Paraná. Sua importância histórica está vinculada à primeira fase do chamado Ciclo do Ouro, anterior à exploração nas Minas Gerais.

Antonina situa-se em uma das primeiras áreas brasileiras exploradas pela Coroa Portuguesa, na região Sul do Brasil. Com sua extensa entrada para o continente, era considerada um local estratégico para controle da região e busca de índios e metais preciosos. Os registros históricos de seus primeiros povoadores (garimpeiros, em sua maioria) datam de 1648.
Encontro Luso-Brasileiro discutiu Conservação e Reabilitação do Patrimônio Histórico
A Construtora Biapó participou do Encontro Luso-Brasileiro de Conservação e Reabilitação do Patrimônio Histórico, no dia 18 de agosto, no auditório da Unidade Acadêmica Especial de Ciências Humanas da Regional Goiás (UAECH) (antigo Colégio Santana), da Universidade Federal de Goiás (UFG), que teve como objetivo aprofundar o debate sobre relevância da Conservação e Reabilitação do Patrimônio Histórico na Cidade de Goiás e em Portugal.

O evento foi promovido pela UFG, por meio de uma parceria com a Escola de Engenharia Civil da Regional Goiânia e da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Regional Goiás, e teve o apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, da Construtora Biapó e da Comunidade da Construção.
Durante as palestras houve troca de experiências entre profissionais da área e estreitamento das relações interinstitucionais, com a presença de palestrantes internacionais e nacionais: Prof.ª Dr.ª Ana Velosa, da Universidade de Aveiro em Portugal; arquiteto Gabriel Andrade, da direção regional de Cultura do Norte em Portugal, arquiteta Beatriz Otto, coordenadora técnica do Iphan – GO; e arquiteto Adriano Carvalho, da Construtora Biapó.

Entre os temas discutidos, figuraram: Diagnóstico geral e ações de conservação preventiva e segurança; Políticas públicas e gestão do patrimônio cultural; Novas tecnologias para a gestão do patrimônio cultural; O papel da ciência da conservação na gestão do patrimônio cultural; A formação do conservador-restaurador; Laboratórios e centros de pesquisa voltados para bens culturais; Profissionais do patrimônio: projetos de conservação e restauro; entre outros.

Após as discussões, os participantes fizeram parte do “Rolê no Goiás”, uma visita técnica guiada por profissionais do Iphan e professores do curso de arquitetura da UFG pelo conjunto urbano e pelas edificações tombadas na histórica Cidade de Goiás.
Biapó Além dos Números
Construtora divulga agenda de atividades educativas nas obras da Biapó.

A Biapó divulgou o cronograma das aulas de Educação Patrimonial e Cidadania e de Alfabetização que serão realizadas em suas obras nos próximos meses.

Estação Ferroviária
(Goiânia – GO)

Alfabetização: terça e quinta-feira, das 16h às 17h Educação Patrimonial e Cidadania: quarta-feira, das 16h às 17h
Próximo Sorteio do Biapó em sua Casa: 5 de outubro

Forte Nossa Senhora dos Remédios
(Fernando de Noronha – PE)

Alfabetização: segunda e terça-feira, das 13 às 14h Educação Patrimonial e Cidadania: quinta-feira, das 13h às 14h
Fazenda Santa Eufrásia
(Vassouras – RJ)

Alfabetização: segunda e terça-feira, das 7h15 às 8h30 Educação Patrimonial e Cidadania: quinta-feira, das 7h15 às 8h15

Palácio da UFRJ
(Rio de Janeiro – RJ)

Alfabetização: segunda-feira, das 7h15 às 8h30 Educação Patrimonial e Cidadania: terça-feira, das 7h15 às 8h15

Templo da Humanidade
(Rio de Janeiro – RJ)

A obra foi finalizada, e as aulas de Educação Patrimonial e de Letramento foram realizadas excepcionalmente na obra Palácio Universitário da UFRJ.
Programa Biapó em sua Casa do Rio de Janeiro aproxima-se do número de cem beneficiados
O Programa Biapó em sua Casa atingiu, no mês de agosto, 99 contemplados. O sorteio de julho premiou o colaborador Luiz Carlos Pinto, pintor na obra do Palácio Universitário e morador de Valença. O ganhador pretende fazer a pintura externa de sua casa e pensa que, ao estimular a realização de mutirões para fazer as melhorias nas casas dos seus colaboradores, o programa acaba proporcionando também um momento de confraternização e solidariedade. “É muito maneiro, ajuda muito as pessoas”, acrescentou ele.

Estácio Bahia, sorteado do mês de agosto, é servente na obra de restauração da Fazenda Santa Eufrásia. Ele disse estar pensando entre quais modalidades da premiação ele deseja usufruir (valor referente ao material de construção e mutirão, valor referente ao material para obra na casa de um familiar ou valor referente a algum tipo de tratamento).

Até o final deste ano, a edição do programa no Rio de Janeiro deve atingir mais de cem contemplados. Desta forma, todos os funcionários antigos terão sido beneficiados e, assim, o programa será zerado nas obras do Rio. Com isso, todos os antigos e novos ganhadores validados nas normas do sorteio poderão participar novamente.