Não consegue visualizar?
Ver no navegador
TOPO BIAPO
Circuito promove reflexão sobre os 15 anos do tombamento art déco goiano
Evento trouxe grandes nomes da arquitetura nos dias 17 e 18 de outubro, mês do aniversário da capital, na Estação Ferroviária de Goiânia.
Estação Ferroviária de Goiânia é um dos exemplares do estilo art déco na região
Convite do evento em comemoração aos 15 anos do acervo art déco em Goiânia

Goiânia reúne um representativo Acervo Arquitetônico e Urbanístico Art Déco com 22 bens tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 2003. Inicialmente decorativo, o estilo inspirou a arquitetura local e deu forma aos primeiros edifícios da cidade.

Em comemoração ao tombamento do acervo como Patrimônio Cultural Brasileiro, a Superintendência do Iphan em Goiás, a Elysium Sociedade Cultural e o Centro de Estudos Brasileiros da Universidade Federal de Goiás (UFG) realizaram, com apoio da Construtora Biapó e do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Goiás (CAU-GO), o evento Café com Prosa e a Jornada de Estudos Brasileiros 2018, na antiga Estação Ferroviária de Goiânia, exemplar histórico que possui todas as referências arquitetônicas do estilo e está sendo restaurado pela Biapó.

Nos dois dias de evento, vários especialistas em patrimônio cultural estiveram presentes para discutir a história do art déco, dentre eles Alfredo Conti, cátedra da Unesco de Turismo Cultural; Andrey Schlee, diretor do Departamento do Patrimônio Material e de Fiscalização do Iphan; Ana Lídia Pinto, procuradora federal junto ao Iphan em Goiás; José Amaury Menezes, pintor e desenhista; Fernanda Valentin, doutora em psicologia clínica e cultura; e Wolney
Unes, coordenador do Centro de Estudos Brasileiros da UFG.

A conferência Novas capitais - nova arquitetura, com Alfredo Conti, arquiteto e especialista em conservação do patrimônio da Universidade de La Plata - Argentina, tratou do surgimento do art déco em uma exposição de arte decorativa de Paris, em 1925, e do modo como este se consolidou durante a construção das grandes capitais da América Latina.

A importância do movimento para o fortalecimento da preservação da cultura foi ressaltada pela superintendente do Iphan em Goiás, Salma Saddi. “É importante valorizarmos a proteção, o uso e o reconhecimento desse patrimônio cultural que faz parte do nascimento da nossa cidade”.

Para o estudante de arquitetura e urbanismo da Universidade Paulista (UNIP) Pedro Henrique Teixeira, o evento foi essencial para sua pesquisa sobre patrimônio cultural. “Eu vou fazer meu TCC já no semestre que vem e o que vi e ouvi aqui só reforçou minha determinação em defender esse tema. Foi bem bacana, me deu mais embasamento teórico sobre o assunto, com referências para pesquisar”, conta.

Pedro Henrique Texeira, estudante de arquitetura


No último dia do encontro, os temas Uso e proteção do patrimônio edificado e Patrimônio e imaginário nacional foram abordados em duas mesas-redondas. O circuito também contou com a abertura da exposição Memorial Confaloni – vida e obra, realizada pela Biapó.
Em estágio avançado, obra da antiga Estação de Goiânia é palco de exposição e projetos sociais
As obras de restauração da Estação Ferroviária de Goiânia, edificação construída na década de 1950 que estava em estado de deterioração e abandono, estão avançadas. Grande parte do saguão principal já foi restaurada e teve sua infraestrutura finalizada, e a etapa de pintura foi iniciada. Alguns ambientes estão sendo concluídos, como os banheiros, que receberam acabamento em louças e metais e o piso em granitina.

Escada circular que dá acesso ao relógio da torre

Também está concluída a impermeabilização das lajes, faltando apenas a impermeabilização das marquises. A substituição do telhado de fibrocimento foi feita por uma estrutura semelhante à original, mantendo quase toda a cobertura em laje impermeabilizada e resgatando os telhados com telha francesa, localizados nas duas extremidades do edifício. O resultado prevê o resgate da volumetria do prédio, quando de sua construção, e revela a preocupação da empresa de retomar a estética original e manter a memória arquitetônica e afetiva da cidade.

Os painéis de Frei Nazareno Confaloni, o principal bem artístico da edificação, foram restaurados de maneira minuciosa, seguindo rigorosos critérios de restauração artística. Os dois exemplares representam trabalhadores sertanejos entre cavalos e carros de boi, e apresentam o cotidiano dos desbravadores dos

Painéis de Frei Confaloni passam por processo artístico de restauro
trilhos da Estação Ferroviária, vindos de todas as regiões do país para a construção de Goiânia.

Banheiros, saguão e piso superior tiveram sua infraestrutura finalizada

Ainda estão sendo concluídos o restauro de gradis e esquadrias e a adequação de estruturas deterioradas por novas, respeitando a mesma linguagem.

Além das obras realizadas no edifício, novas intervenções estão sendo feitas na Praça do Trabalhador, onde está localizada a Estação. O espaço recebeu um projeto de revitalização mais adequado a suas características, a fim de proporcionar mais visibilidade ao monumento, que inclui o remanejamento das palmeiras-imperiais localizadas na frente da fachada principal. O trabalho de pavimentação do piso da área externa e dos canteiros previsto no projeto está ainda na etapa inicial.

Com a remoção da pavimentação antiga e o nivelamento da área, novas frentes de trabalho surgirão, incluindo a execução do projeto paisagístico, com o plantio de mais de 1400 mudas, agendado para o período de chuva para facilitar a manutenção das espécies.

Memorial Confaloni é o tema da exposição Canteiro Aberto


Além disso, em conjunto com os eventos organizados pelo Iphan e pela Elysium, foi aberta a exposição Memorial Confaloni – vida e obra, realizada pela Biapó.

A mostra do artista Frei Nazareno Confaloni, um dos maiores artistas plásticos com atuação no estado de Goiás, apresenta uma linha do tempo traçada para retratar sua vida e suas obras.

A ação se enquadra nas atividades expositivas do Canteiro Aberto que fazem parte do programa Biapó Além dos Números.

Alunos da Uni-Anhanguera visitam o canteiro de obras da Estação e a exposição

Aulas de alfabetização e educação patrimonial

Como acontece em todas as obras da Construtora Biapó, as ações de alfabetização e educação patrimonial possuem cronograma fixo. Em Goiânia as aulas de Educação de Jovens e Adultos (EJA) estão sendo ministradas para colaboradores e a
comunidade em geral na Escola Municipal Coronel Getulino Artiaga.

Colaboradores recebem aulas de educação patrimonial na obra

Biapó em Sua Casa

E no dia 5 de outubro foi sorteado o primeiro contemplado do Programa Biapó em sua Casa em Goiânia. O prêmio foi para Francisco Inácio da Silva, um dos vigias noturnos da obra da Estação Ferroviária.

Francisco Inácio da Silva, ganhador do Biapó em sua Casa, e o arquiteto Gabriel Côrtes

Biapó participa da FIMUCTI no Vale do Café

A Semana Intermunicipal de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento (SIMCTIVALE) de 2018 aconteceu este ano em seis municípios do Vale do Café: Engenheiro Paulo de Frontin, Mendes, Miguel Pereira, Paty do Alferes, Valença – Subprefeitura de Juparanã e Vassouras. Entre as várias atividades que ocorreram de 9 a 20 de outubro, teve lugar a Feira Intermunicipal de Ciência, Tecnologia e Inovação no Centro Integrado de Educação Pública (Ciep) Brizolão Professor Ruy Gonçalves Gomes, em Mendes.

A convite da coordenadora pedagógica da unidade, Maria Paula Vale, a Biapó participou do evento e ministrou a Oficina de Arquitetura de Terra para jovens e crianças no dia 16 de outubro. O mestre adobeiro Francisco José Rosado da Silva, o Chicão, funcionário da Biapó na obra da Fazenda Santa Eufrásia, em Vassouras, ensinou aos alunos do ensino fundamental, dos períodos matutino e vespertino da unidade, técnicas de construção com adobe.

Alunos do Ciep de Mendes aprendem brincando na oficina realizada pela Biapó
Mestre adobeiro ensina técnicas construtivas com uso de terra

“Participei da oficina na praça de Vassouras e fiquei encantada. Entrei em contato com a Biapó pra ver a possibilidade de levar a atividade pro Ciep Brizolão e deu certo, foram muito receptivos à solicitação”, contou Maria Paula. Segundo a coordenadora, a experiência foi “maravilhosa, trouxe muito conhecimento”, ela também agradeceu a possibilidade de atuar em rede para trocar experiências.

O diretor do Ciep, Moisés Cláudio de Paula Marques, afirmou que a Biapó fez a diferença neste ano letivo.

“Foi uma atividade vibrante. É um belíssimo projeto, muito interessante. As crianças gostaram muito”, disse.
Construtora desenvolve ações em defesa do meio ambiente em Antonina
A obra de restauro do Armazém Macedo, patrimônio histórico importante do centro histórico de Antonina, no estado do Paraná, realizada pela Construtora Biapó, está localizada na Área de Proteção Ambiental (APA) de Guaraqueçaba, que ocupa parte dos territórios dos municípios paranaenses de Guaraqueçaba, Antonina, Paranaguá e Campina Grande do Sul e engloba a Baía de Paranaguá em cujas margens foi edificado o Armazém.

Ruínas serão destaque no novo espaço de convivência e lazer em construção

A área foi criada com a finalidade de assegurar a proteção de uma das últimas áreas representativas da Floresta Pluvial Atlântica – onde se encontram espécies raras e ameaçadas de extinção, o complexo estuarino da Baía de Paranaguá, os sítios arqueológicos (sambaquis) e as comunidades caiçaras integradas no ecossistema regional –, controlar o uso de agrotóxicos e demais substâncias químicas e estabelecer critérios racionais de uso e ocupação do solo na região.

Obra recebe ação de preservação do meio ambiente
Apesar disso, foi constatado o despejo de esgoto e um grande acúmulo de lixo na região onde a Biapó trabalha no restauro do patrimônio histórico do litoral paranaense, motivo pelo qual será desenvolvida, a partir do mês de dezembro, uma ação educativa de defesa do meio ambiente, coordenada pelos arquitetos Joyce Carvalho e Wandilson Guimarães, que compõem a equipe técnica da obra.

Todo o lixo acumulado no entorno do Armazém Macedo, inclusive os dejetos trazidos pelo mar, serão recolhidos, depositados em um gradil e expostos para a comunidade. Um placar do lixo também será instalado. Nele, constarão o volume em metros cúbicos de detritos recolhidos e o tamanho da área em que foi feita a limpeza todos os meses. Tudo que for coletado será repassado para a cooperativa local de reciclagem.

“Vamos propor mais iniciativas que também chamem a atenção da população para esse grave problema, como uma possível parceria com o Curso Técnico de Meio Ambiente para realização de uma série de palestras para nosso quadro de colaboradores (que inclui muitos trabalhadores locais), exposições artísticas e ações de incidência e parceria com ONGs ambientais, que estão em fase de articulação, e, em breve, iremos realizá-las”, afirma o arquiteto Wandilson Guimarães.
50 anos da Faculdade de Educação da UFRJ recebe apoio da Biapó
A Construtora Biapó apoiou as comemorações dos 50 anos da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FE-UFRJ), por meio da doação de peças gráficas para divulgação da exposição FE: meio século presente na formação de professores. Os exemplares da mostra foram criados pela designer e colaboradora Genilda Alexandria, sob a coordenação de uma comissão de professores da faculdade.

Placas expositivas marcam os 50 anos da instituição

O evento aconteceu na Praia Vermelha, teve início no segundo semestre de 2018 e ocorreu simultaneamente nos quatro espaços, onde foram abordados um dos quatro períodos de sua história: JJ-CFCH, átrio, corredor da FE e do arquivo e espaço da escada de madeira.
Árvore da Educação

Entre as demais atividades de comemoração dos 50 anos da instituição, a construtora também contribuiu com a montagem da instalação Árvore da Educação, concebida pela professora e cineasta Adriana Fresquet, coordenadora do projeto de pesquisa Currículo e Linguagem Cinematográfica na educação básica e do programa de extensão Cinema para Aprender e Desaprender (Cinead), uma das fundadoras e integrante da coordenação da Rede Latino-Americana de Educação, Cinema e Audiovisual (Rede Kino).

Alunos auxiliam na montagem da Árvore da Educação
A instalação artística consistiu em uma estrutura de metal soldada em torno de uma das grandes árvores do pátio da faculdade, formando uma torre que agregou antigas cadeiras e outros mobiliários remanescentes de um incêndio ocorrido ali em 2011. No dia 3 de outubro, os integrantes da equipe da Biapó – Sérgio Costa, museólogo; Carlos Campos, soldador e responsável pela estrutura em ferro; Fabrício Maciel, Jane Alves e Cláudia Germana, serventes da obra do Palácio, com coordenação e apoio do escultor Sandro Cunha, que colaborou na idealização da estrutura – participaram da ação de montagem.
Grasiela Oliveira (bolsista de extensão universitária) e a professora Adriana Fresquet, idealizadora da instalação
“Estamos fazendo uma denúncia contra o sucateamento da universidade pública, da saúde, dos espaços públicos. A sucessão de incêndios em vários espaços históricos mostra um histórico de descasos em relação à preservação da nossa cultura. Queremos que essa instalação seja um ato coletivo em que os alunos e a comunidade participem e colaborem para dar visibilidade à manifestação, trazendo objetos simbólicos que representem sua história nessa instituição para construir essa grande torre em defesa da educação”, destaca Adriana Fresquet.

Segundo Sérgio Costa, a Árvore da Educação é uma exposição viva e dinâmica. “Tem ocorrido uma enorme interação. Cada vez mais pessoas têm trazido seus objetos para compor a torre. São estojos, lápis, cadernos, poesias. É uma exposição viva, muito dinâmica”, conta o museólogo.
Exposição Canteiro Aberto e atividades paralelas movimentam a obra da Fazenda Santa Eufrásia em Vassouras
A Construtora Biapó abre mais uma vez as portas do canteiro de obras da Fazenda Santa Eufrásia para visitação pública e gratuita.

Exposição Canteiro Aberto da Fazenda Santa Eufrásia realiza edição especial no mês das crianças

No dia 20 de outubro, em comemoração aos 50 anos da Faculdade de Arquitetura do Centro Universitário Geraldo di Biasi (UGB), de Volta Redonda, 120 alunos foram levados para visitar a exposição.

Eles conheceram a casa-sede e a cavalariça e receberam instruções dos arquitetos Camila Furloni e Daniel Vilhena sobre os processos de restauro da obra. E também puderam adquirir conhecimentos de museologia com Felipe Carvalho.

Alunos do UGB participaram de oficinas e receberam explicações sobre arquitetura e museologia.

Os alunos participaram da visitação acompanhados pela professora do UGB, Isabel Rocha, que, além de implementar as atividades programadas, ministrou uma aula na Oficina de Produção de Adobe, demonstrando a forma artesanal como os tijolos eram feitos na região séculos atrás.

“A ideia de abrir a obra e fazer oficinas para revelar os bastidores da restauração do patrimônio histórico é muito interessante. A roda de conversa com os alunos feita em seguida foi muito produtiva e muito enriquecedora. Eles ficaram encantados com a técnica de adobe e com o processo de amassar o barro. Uma coisa é abordar essas questões em sala de aula, outra é ver como se faz. A montagem do telhado também chamou muita atenção”, relatou Isabel, que também é técnica em conservação do Iphan.

Construída em 1830, a fazenda histórica do Ciclo do Café é a única, entre as propriedades particulares, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

A exposição foi inaugurada no dia 21 de julho, com apresentação do grupo afrodescendente Jongo Renascer Caxambu. E, no dia 20 de outubro, houve apresentação da camerata do Programa Integração pela Música (PIM), mantido pela Sociedade Musical Nossa Senhora da Conceição, de Vassouras.

Orquestra PIM, regida pelo maestro Cláudio Moreira, se apresenta no Canteiro Aberto da Fazenda Santa Eufrásia

Cerca de 25 crianças e adolescentes, de 9 a 17 anos, regidas pelo maestro Cláudio Pereira Moreira, tocaram músicas clássicas, MPB, minuetos de Bach e temas de filmes. “Foi uma ótima experiência de interação com a natureza e com nossa história. Gostamos de interagir com esse tipo de iniciativas. Os músicos adoraram também a oportunidade de participar das oficinas e palestras”, contou o maestro.
O PIM surgiu da necessidade de manter viva a tradição das bandas de música. Durante muitos anos essa banda, criada por músicos locais, encantou as cidades do interior do estado do Rio de Janeiro. Em 2000, o programa passou a oferecer ensino musical gratuito para crianças da rede pública de Vassouras e cidades vizinhas.

A metodologia desenvolvida é de multiplicação dos saberes, na qual os alunos mais experientes iniciam os novatos, repassam seus conhecimentos e, assim, contribuem para a sustentabilidade. Esta foi e continua sendo uma das ações mais importantes dentro da Sociedade Musical Nossa Senhora da Conceição com garantia de continuidade.

Oficinas

Cerca de 50 crianças, filhos de colaboradores da obra de restauro da Fazenda Santa Eufrásia, participaram das oficinas de Arquitetura de Terra e Escavação Arqueológica.

Nesta última, foi construído um tanque de areia para simular uma escavação com 12 crianças de cada vez. Dois painéis sobre arquitetura de terra também foram montados para explicar de forma lúdica técnicas de adobe e taipa.

Filhos dos colaboradores se divertem nas oficinas ministradas na obra da Biapó em Vassouras


No tanque foram enterrados materiais como pratos de cerâmica, réplicas de chocalhos indígenas e crânios de plásticos para que as crianças pudessem ter a experiência da descoberta de objetos arqueológicos.

Jamária Batista Nascimento, arqueóloga de campo que ministrou a oficina, deu todas as explicações para as crianças e as estimulou durante as escavações.

“A oficina foi ótima. Esse tipo de atividade permite o contato dos arqueólogos com a significação do patrimônio histórico, é quando conseguimos ter contato com a comunidade e lançar sementes que vão frutificar para valorizar nossa cultura”, disse.

Jociel Viana dos Santos, responsável pelo departamento de Compras da obra de Vassouras, levou Sofia, sua filha de 5 anos, que brincou muito no tanque de escavação e chorou na hora de ir embora. “Ela queria ficar mais. Gostou muito de escavar para encontrar os fósseis e queria até levá-los para casa. É muito bom proporcionar essa experiência para crianças de compreender um pouco a origem das coisas, da nossa história”, contou o colaborador.

Genilda Alexandria, responsável pelo projeto gráfico da exposição, também esteve presente e destacou a expressiva participação das crianças.

“Foi muito interessante. Além das visitas guiadas para os adultos, as oficinas voltadas para o público infantil conseguiram trabalhar bem tanto a arqueologia quanto o processo construtivo da época. O dia estava muito bonito, o espaço foi bem aproveitado e favoreceu a integração entre a atividade e o meio ambiente de forma bastante natural”, descreveu a colaboradora.

A Fazenda Santa Eufrásia está localizada na Rodovia RJ 127, km 42, Vassouras – Mendes, entrada da Toca dos Leões. Contato: eventos.biapo@gmail.com. O evento possui apoio do Iphan, NTS e CEP 28.
Forte Nossa Senhora dos Remédios é palco de intensa programação cultural
Os últimos meses no arquipélago Fernando de Noronha foram marcados por uma intensa programação cultural que acontece simultaneamente à obra de restauro do Forte Nossa Senhora dos Remédios. As ações continuam reunindo a comunidade local, turistas e os próprios colaboradores da Biapó em shows de música, exibição de filmes, oficinais e apresentações teatrais promovidos pela empresa.

Preservação, Cinema e Música no Forte

Em outubro aconteceu mais um mutirão de limpeza, dessa vez na região do Porto. Os mutirões anteriores foram realizados na Vila dos Remédios e contaram com a participação dos colaboradores da obra.

Já o projeto Música no Forte trouxe ao palco, no dia 20 de outubro, o Quinteto Metais do Cerrado e, no dia 17 de novembro, o projeto Isaac Violin Live, do violinista Willian Isaac Ferreira, com músicas eruditas e populares.

E o Cinema no Forte destacou-se com a exibição do filme “Pequeno Segredo”, dirigido por David Schurmann, uma edição exclusiva com a presença da família Schurmann, cuja história é contada no filme.

Festival realizou oito shows durante o ano Família Schumann participa de sessão especial
Também foram realizadas oficinas que proporcionaram uma reflexão acerca do ser humano como extensão do mundo natural. Uma delas foi a oficina de Henrique Pistilli, o Homem Peixe, que desbrava as maiores ondas do mundo utilizando apenas o próprio corpo e um par de nadadeiras.

A novidade foi o passeio de barco do Porto até a Baía do Sancho, realizado com a equipe da Biapó, que fez uma pausa para um mergulho.

E as atividades continuaram no mês de novembro, a fim de estimular o convívio comunitário, promover a educação patrimonial e valorizar o patrimônio histórico. No dia 18 aconteceu a Oficina Prática de Escultura com Sandro Cunha e, no dia 25, a palestra de Leo Veras, Tubarão - mitos e verdades.

Equipe passeia de barco pela ilha

Obra do Palácio da UFRJ encerra outubro com ações do Programa de Inclusão pelo Trabalho e aulas de cidadania
Na final de outubro, foi realizado o último encontro com a psicóloga Catarina Dahl, do Instituto de Psiquiatria da Universidade do Brasil (IPUB), instituição parceira da Biapó no Programa de Inclusão pelo Trabalho.
Uma dinâmica de sensibilização focada no tema da superação foi realizada com cerca de 30 participantes, entre funcionários da Biapó e integrantes do IPUB.
Aulas de cidadania e voto envolvem colaboradores da construtora antes das eleições
Motivada pelo período das eleições, a empresa também realizou aulas de cidadania e voto na obra para instruir e conscientizar, por meio de um debate saudável entre os colaboradores, acerca de assuntos como política e fake news e a importância do voto e sua função social na vida de todos os cidadãos.